Secretaria da Mulher vai relançar campanha Marcas da Alegria no carnaval

A Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) vai relançar nesta quarta-feira (17) a campanha Marcas da Alegria, que convida a população como um todo ao enfrentamento da violência contra a mulher, especialmente, durante as festividades de carnaval. Uma extensa programação de sensibilização e distribuição de material informativo vai acontecer nos eventos que antecedem a folia de momo, com destaque para o Corso de Teresina.

“Infelizmente, ainda é muito comum que durante as festas de carnaval as mulheres sofram violência ou algum tipo de abuso ou assédio. Por isso, a importância de reforçar, pelo quarto ano consecutivo, a campanha ‘Marcas’, que vem reforçar nossa missão: a valorização dos direitos da mulher e o enfrentamento da violência contra ela, em seus mais diversos tipos, sobretudo, física”, pontuou Macilane Gomes, secretária da Mulher.

A campanha trabalha a seguinte temática: “Que as únicas marcas nesse carnaval sejam de alegria”, mostrando no leque (a principal peça da campanha) os dois lados: primeiro, o rosto de uma mulher que foi agredida física e psicologicamente pelo companheiro, e depois, no verso, o rosto da mesma mulher, só que com alegria contagiante, com a autoestima elevada, feliz, pronta para a folia de carnaval.

“Por isso o nome ‘Marcas da Alegria’, pra que as pessoas percebam o lado obscuro e cruel da violência, que todos os dias acontece país a fora, vitimando milhares de mulheres, mas, que também percebam a alegria de viver em paz, tendo seus direitos respeitados, podendo aproveitar esse período de extrema alegria sem a sombra da violência, em suas diversas formas. E é essa marca que queremos: a marca da alegria, do brilho, do empoderamento”, completou Macilane.

Para este ano, a SMPM buscou reforçar a parceria com outros órgãos e instituições, que, juntos, toparam abraçar a campanha, fazendo com que ela chegue a um número maior de pessoas. A Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, a Fundação Municipal de Saúde, a Superintendência Municipal de Trânsito, a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, a Secretaria Municipal de Juventude, o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, o Ministério Público, o NUPEVID, a Coordenadoria Estadual de Políticas Públicas para Mulheres e o Conselho Regional de Enfermagem são os parceiros da edição deste ano.

20.000 leques serão distribuídos durante as prévias e os principais eventos de carnaval deste ano, como o Corso, os blocos Capote da Madrugada, Vaca Atolada, Paçoca, entre outros, além dos bailes de carnaval que acontecerão nas zonas da capital, atendendo ao convite do tema geral deste ano: “Carnaval de Teresina – Em todo canto da cidade“. Além disso, a campanha realizará blitzen educativas, orientandos os condutores sobre o enfrentamento da violência contra a mulher; abordagem e sensibilização durante as festas de escolha das majestades do carnaval, entre outras ações, como distribuição de preservativos, material informativo e orientações sobre a rede de atendimento à mulher vítima de violência.

Ações voltadas para as mulheres foram intensificadas em Teresina

Teresina tem se tornado referência quando se trata de políticas públicas para mulheres, tanto no Estado, como Brasil afora, sobretudo, neste ano, quando, logo nos primeiros meses, passou a contar com a primeira Secretaria Municipal voltada para o público feminino, no âmbito do Piauí. A capital passou a contar com um órgão exclusivo de fomento e articulação de ações, nos mais diversos eixos, para o universo feminino, a fim de que cenários negativos, como o da violência, sejam extintos, por meio de formações, cultura, profissionalização, trabalho, educação, esporte, lazer, entre outras iniciativas, de responsabilidade própria ou em parceria com entidades e instituições públicas e/ou privadas.

Criada em dezembro de 2011, a Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, atualmente, Secretaria, foi um dos passos iniciais importantes na missão de fortalecer e empoderar a mulher de Teresina. Segundo a secretária Macilane Gomes, o órgão nasceu da necessidade e da reivindicação dos movimentos de mulheres organizadas, a fim de se constituir um canal de articulação e fortalecimento do atendimento e garantia dos direitos da mulher na capital. “Através da rede de atendimento institucional, movimento de mulheres e do controle social, a Secretaria vem somando esforços para atender as mulheres da capital, respeitando diferenças ideológicas, religiosas, éticas e sociais”, disse a gestora.

Embora alarmantes e com índices que destacam o Piauí negativamente a nível nacional, em se tratando de casos de Feminicídio, por exemplo, Teresina também obteve crescimento nas ações voltadas para a desconstrução dessa realidade por entender que o princípio de tudo vem do ambiente doméstico, da cultura do machismo desde o começo da vida e de tantas outras circunstâncias que acabam por causar os casos mais extremos de violência à mulher, simplesmente, pela condição de ser mulher.

Uma das ações de maior destaque foi a criação, implantação e avanço das atividades do programa Amor de Tia, que atende mulheres em situação de violência, promovendo apoio na reconstrução da sua autonomia através do atendimento, acolhimento, atenção e desenvolvimento psicossocial a seus filhos: crianças de um ano a dois anos e nove meses. O programa funciona no Centro de Convivência Saber Viver, bairro Matadouro, zona Norte da cidade, atendendo, atualmente, 62 crianças, com suas respectivas famílias, além de cerca de 40 mães de ex-usuários do serviço (que passaram a frequentar a creche), que ainda são atendidas com diversas ações do programa.

Histórias como a de Leidiane Araújo, 27 anos de idade e mãe do pequeno Diego Cauê, ambos, atendidos pelo programa Amor de Tia, dão o retorno positivo, esperado pela gestão das políticas públicas para mulheres em Teresina. “Me sinto muito feliz em ser atendida aqui no ‘Amor de Tia’, principalmente, por ver que meu filho é muito bem acolhido e cuidado aqui. Nossa vida mudou muito após entrar nesse programa”, comentou Leidiane, que, atualmente, está desempregada. Ela é atendida pelo serviço há oito meses.

Naiane Frazão também fez questão de falar da sua experiência em ser beneficiada pelo serviço. Autônoma, moradora do bairro Parque Alvorada, zona Norte da cidade, ela conta que, aos 28 anos de idade, enfrentou uma situação, segundo ela, “um tanto quanto complicada”, porque num curto intervalo de tempo teve dois filhos. “Não tenho família que mora próximo de mim. Somente eu e meu esposo pra cuidar de dois filhos pequenos. Então ficou complicado, até que soube, por meio de uma amiga, que o serviço estava disponível. Aqui, assim que cheguei, fui muito bem acolhida. Não só eu, mas também meu filho mais velho. Desde então, tudo mudou. Enquanto meu filho é bem cuidado, eu tive várias oportunidades de me profissionalizar, de aprender, de participar de diversos cursos. Hoje, graças a Deus, já consigo uma renda extra, já me sinto uma mulher mais capacitada, tudo graças ao ‘Amor de Tia’”, contou Naiane.

Com Elis Regina Leite, não foi diferente. Estudante, ainda muito jovem, ela encontrou no Amor de Tia a oportunidade de poder desenvolver seus estudos, com maior autonomia e segurança, tendo seu filho bem cuidado e tendo a oportunidade de buscar realizar um grande sonho: “quero ser enfermeira”, disse. “Aqui, tudo é bom. Mudou muito a minha vida estar aqui, aprender, ser acolhida, ser bem cuidada”, comentou Elis, que acaba de ser aclamada, na escola onde estuda, como a melhor aluna da turma, com certificado de “Aluno Nota 10”.

Inaugurado no começo de 2016, o programa já atendeu cerca de 150 crianças e mais de 100 mulheres, dando a elas a oportunidade da qualificação e do trabalho, enquanto restauram sua autonomia e autoestima, dando-lhes a oportunidade de sair da situação de vulnerabilidade e de violência, como em muitos casos, e passando a contar com várias oportunidades, uma vez que o programa oferece diversos cursos e oficinas, em parcerias com outras instituições.

No entanto, esse é apenas um dos serviços gerenciados pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), que atua em três eixos estruturantes e estratégicos: Articulação e Transversalidade, Enfrentamento à Violência, e Autonomia e Desenvolvimento Econômico e Social. “São eixos prioritários na implantação de políticas públicas para mulheres, oportunizando a institucionalização de políticas públicas que se constitui como uma demanda histórica do movimento de mulheres e que passa a ser, no âmbito da Prefeitura de Teresina, agenda institucional, que vem conquistando cada vez mais espaço”, explicou a secretária Macilane.

E a fala da gestora se confirmou em diversos momentos de 2017, especialmente, com as comemorações do aniversário de 165 de Teresina, que teve o universo feminino como eixo central, além das comemorações pelos 11 anos da Lei Maria da Penha, que revolucionou o país, criando uma sensibilização contínua pelo fim da violência contra a mulher. Embora, segundo dados do Atlas da Violência 2017, que analisou estatísticas da violência contra a mulher até 2015, o Brasil tenha registrado 4.621 homicídios, nos últimos cinco anos, houve uma diminuição dessas ocorrências em 5,3%, confirmando que a atuação das políticas públicas para as mulheres tem sido importante.

Em Teresina, a Gerência de Enfrentamento à Violência, por exemplo, trabalha com projetos que fortalecem essa luta e sensibilizam a população como um todo. O Laboratório Maria da Penha é um desses projetos. A ação é entendida como extensão universitária e capacita estudantes sobre a Lei 11.340/2006 (Lei Maria da Penha), para torná-los multiplicadores da Lei. “Outra ação importante é o projeto ‘Lei Maria da Penha em Cordel nas Escolas’, que já sensibilizou mais de 60 mil alunos da rede municipal de ensino de Teresina”, completou Macilane Gomes, pontuando, ainda, o trabalho que é feito, especificamente, com os homens, por meio da Campanha Laço Branco, que os mobiliza a se engajarem no enfrentamento da violência contra a mulher: neste ano, foram 21 atividades, entre sensibilização, rodas de conversa e palestras, alcançando um total de 1.028 homens.

Pela Gerência de Articulação e Transversalidade, uma das principais conquistas para o público feminino foi a criação do I Plano Municipal de Políticas Públicas para Mulheres de Teresina, que norteia as ações desenvolvidas no município para a mulher, pontuando mais de 90 ações, distribuídas em oito eixos estratégicos: igualdade no mundo do trabalho e autonomia econômica com inclusão social; educação inclusiva, não sexista, não racista, não homofóbica e não lesbofóbica e contra intolerância religiosa, para igualdade e cidadania; saúde integral das mulheres, direitos sexuais e direitos reprodutivos; enfrentamento de todas as formas de violência contra as mulheres; direito à terra, moradia digna e infraestrutura social, com desenvolvimento sustentável nos meios rural e urbano; cultura, esporte, comunicação e mídias igualitárias, democráticas e não discriminatórias; enfrentamento do racismo, sexismo e lesbofobia e intolerância religiosa, e enfrentamento das desigualdades que atingem as mulheres, com especial atenção às idosas e pessoas com deficiência. Essa também é a gerência responsável por todo o trabalho central da Secretaria: a articulação de todas as ações, parcerias e projetos.

Já pela Gerência de Autonomia e Desenvolvimento Econômico e Social, o trabalho desenvolvido em Teresina tem sido de fomentar e executar políticas que busquem o empoderamento e a autonomia da mulher. Entre as ações, o projeto “Profissionalizar Mulher”, que oferta cursos profissionalizantes às mulheres em situação de violência e vulnerabilidade social, capacitando-as para o mercado de trabalho. “Além dele, o projeto ‘Dialogando’, em que são realizadas rodas de conversa na sensibilização, conscientização das questões de gênero e na disseminação da Lei Maria da Penha”, pontuou Lidiane Oliveira, gerente responsável.

Também neste ano, foi lançada a “Agenda Março Mulher”, fortalecendo o diálogo com as mulheres, com as instituições no âmbito municipal, estadual e federal, sociedade civil organizada e Conselho Municipal da Mulher. Foram mais de 70 ações, executadas para as mulheres, no mês de março.

Centro de Referência Esperança Garcia é destaque em atendimento multidisciplinar à mulher

A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria da Mulher, abriu em março de 2015 o Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência – Esperança Garcia. O local homenageia Esperança Garcia: mulher, escrava, que ficou conhecida por ter escrito uma carta endereçada ao então Presidente da Província de São José do Piauí, Gonçalo Lourenço Botelho de Castro, denunciando os maus-tratos físicos de que era vítima, ela e seu filho, por parte do feitor da Fazenda Algodões. Esperança quebrou barreiras, uma vez que denunciar maus-tratos em 1770, época em que as mulheres não tinham voz, foi um grande avanço.

Neste ano, o Centro fez quase 400 atendimentos às mulheres vítimas de violência, sendo 110 mulheres somente de primeiro atendimento, por demanda espontânea, por encaminhamento de órgãos da rede de atendimento ou por orientação. O local oferece atendimento psicossocial e jurídico, com acolhimento familiar, num ambiente totalmente dedicado e preparado para bem recebê-las. “Nesses dois anos do serviço temos tentado implantar ações voltadas para a defesa dos direitos da mulher, colocando como prioridade institucionalizar as políticas públicas para mulheres no município de Teresina”, pontuou Macilane Gomes.

O serviço oferece acompanhamento psicológico, social e de orientação jurídica às mulheres em situação de violência. Além disso, proporciona atendimento necessário para a superação da violência, contribuindo para o fortalecimento das mulheres e para o resgate de sua cidadania. “O Centro também desenvolve, além do atendimento individual, atendimentos coletivos, com atividades que proporcionam a interação e a recuperação da autoestima e da autonomia. Nós acompanhamos a mulher até ela conseguir seu objetivo, dando-lhe todo o apoio necessário”, explicou Roberta Mara, coordenadora do Centro.

T.C.C.N., 40 anos, é uma das mulheres atendidas pelo Centro. Devido à situação de vulnerabilidade e de violência em que se encontra, terá sua identidade preservada, mas, fez questão de falar do quanto teve sua autoestima melhorada após descobrir o Centro e passar a ser atendida pela equipe multidisciplinar. Ela foi casada durante oito anos, sendo cinco deles passando pelas mais diversas formas de violência, iniciando pela psicológica e culminando na violência física. “Eu convivi oito anos com meu companheiro. Toda essa situação iniciou após o nascimento da nossa filha. Ele chegava em casa de madrugada e me agredia, sempre dando indícios de que aquilo evoluiria”, contou, emocionada.

T.C. disse que, em um certo dia, ele a agrediu fisicamente, com um soco no rosto. “Antes, eu não queria acreditar, denunciar, enxergar que aquilo, realmente, estava acontecendo. Mas, nesse dia, eu busquei ajuda, indo registrar meu primeiro boletim de ocorrência contra ele. Eu vivia em depressão constante, mas, depois que tive coragem de denunciá-lo, tudo começou a mudar”, enfatizou. T.C. está sendo acompanhada pela equipe do Centro, já tendo conseguido formalizar a separação e manter a guarda de sua filha, além de ter melhorado sua autoestima, estar mais focada em seus projetos pessoais e ter conseguido se distanciar do agressor.

O Centro possui uma equipe multidisciplinar, que atende das 08h às 14h, de segunda a sexta-feira, na Rua Lisandro Nogueira, número 1796, Centro de Teresina. Ele está vinculado à Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), em parceria com a Ação Social Arquidiocesana (ASA). O contato para mais informações é 3233-3798.

Secretaria da Mulher celebra o dia do Laço Branco com Bate-Papo

Convidar os homens a debater a violência contra a mulher do ponto de vista de aliados e não de agressores, esse foi o objetivo do bate-papo que a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres realizou em um shopping da capital, no último dia 6 de dezembro, data em que é celebrado o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres e Dia do Laço Branco.

O jornalista Joelson Giordani aceitou o convite para ser mediador do bate-papo motivado pelo tema e pela importância de homens debaterem esse assunto. “Eu aceitei esse convite porque entendo que a violência contra a mulher é um assunto de todas as pessoas e precisa ser debatida por todos. Fiquei bastante instigado a participar por que eu acho que a proposta de fazer com que os homens despertem e protagonizem não a violência mas a discussão do combate a violência, bastante oportuna”.

Participaram também o secretário municipal Samuel Silveira, o advogado e professor Thiago Carcará, o coordenador do Instituto Papai, Sirley Vieira e o membro da ONG Plan International John Lucas.

O bate-papo começou com uma provocação do mediador, querendo saber se algum dos presentes já havia presenciado casos de violência doméstica, fora do ambiente de trabalho e contou com o relato emocionado de John Lucas, membro da Ong Plan International, que contou aos presentes que cresceu em um ambiente familiar presenciando a mãe ser vítima de violência doméstica. “Era uma coisa muito esquisita, porque quando eu via que meu pai ia chegar em casa, eu já pedia que minha mãe não fizesse nada que provocasse a ira dele, para não apanhar”, contou emocionado.

Os convidados compartilharam experiências e vivências tanto nos ambientes de trabalho como fora dele e discutiram o papel dos homens no combate a violência contra a mulher. O coordenador executivo do Instituto Papai, Sirley Vieira, pontuou a importância dos homens reconhecerem seus privilégios no combate aos machismo enraizado na sociedade. “Precisamos reconhecer nossos privilégios, seja quando chegamos em casa, depois de um dia de trabalho e ficamos na frente da tv enquanto a mulher faz a comida, seja nos nossos salários mais altos”.

Macilane Batista, secretária da pasta, afirma que o momento foi escolhido para que os homens participem da discussão contra a violência contra a mulher, uma vez que são os principais agressores. “Nós queríamos provocar um ambiente diferenciado de discussão sobre o enfrentamento a violência contra a mulher, que não é só uma agenda das mulheres ou só da instituição pública, mas sim de toda a sociedade. E queremos também chamar a atenção também para o ativismo dos homens”.

Sobre o Laço Branco

A Campanha começou após uma tragédia ocorrida em 1989, em Montreal, no Canadá. Marc Lepine invadiu uma escola politécnica canadense, ordenou que homens se retirassem, assassinou 14 mulheres e suicidou-se em seguida. A tragédia mobilizou canadenses a criar a primeira campanha do Laço Branco. Entre 25 de novembro e 06 de dezembro daquele ano foram distribuídos cerca de 100 mil laços entre os homens canadenses. O dia 25 de novembro foi proclamado pela Organização das Nações Unidas como o Dia Internacional de Erradicação da Violência contra a Mulher.

Bate-Papo marcará Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres

No dia 06 de dezembro é celebrado o Dia do Laço Branco, data que marca o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres, integrando o calendário da Campanha dos 16 dias de Ativismo. Em Teresina, a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres realizará nesta quarta-feira (6) um Bate-Papo para comemorar a data, com o tema “Eles Também Fazem Parte!”. A atividade será realizada no Teresina Shopping, no espaço de eventos próximo à casa lotérica, às 18h, com entrada gratuita.

O vereador e secretário municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Samuel Silveira; o advogado e professor, Thiago Carcará; o coordenador executivo do Instituto Papai, Sirley Vieira; e o membro da ONG PLAN International, John Lucas, são os convidados do Bate-Papo, com uma discussão do tema, abordando aspectos sobre o cenário atual da violência contra a mulher e os caminhos a serem percorridos, visando a redução dos casos. O jornalista e apresentador de TV, Joelson Giordani, será o mediador do Bate-Papo.

“A ideia é fazer com que os próprios homens se envolvam na discussão, debatendo, entre eles, formas de sensibilizar outros homens, pelo fim da violência contra as mulheres. Por isso a importância desse momento, que também marca as comemorações da campanha Laço Branco, que já executamos em Teresina com uma vasta programação, envolvendo instituições públicas e privadas”, pontuou Macilane Gomes, secretária da Mulher.

A campanha do Laço Branco começou após uma tragédia ocorrida em 1989, em Montreal, no Canadá. Marc Lepine invadiu uma escola politécnica canadense, ordenou que homens se retirassem, assassinou 14 mulheres e suicidou-se em seguida. A tragédia mobilizou canadenses a criar a primeira campanha do Laço Branco. Entre 25 de novembro e 06 de dezembro daquele ano foram distribuídos cerca de 100 mil laços entre os homens canadenses. O dia 25 de novembro foi proclamado pela Organização das Nações Unidas como o Dia Internacional de Erradicação da Violência contra a mulher, coroando no dia 06.

Em Teresina foram realizadas 21 atividades da campanha, somente neste ano, envolvendo 1.028 homens, que foram sensibilizados. Do total de 21 atividades, 11 de sensibilização, 07 rodas de conversa e 03 palestras.

Programa Amor de Tia realiza Feira EmpoderArte com mulheres atendidas pelo serviço

As mulheres, mães, atendidas pelo programa Amor de Tia concluíram os trabalhos deste ano apresentando ao público materiais produzidos por elas, que, ao longo de 2017, participaram de cursos de formação, oficinas, entre outras oportunidades que deram maior autonomia e oportunidade de geração de renda. A conclusão dos trabalhos gerou a segunda edição da feira EmpoderArte, realizada na manhã desta sexta-feira (1º), no Parque Lagoas do Norte.

Entre os trabalhos confeccionados por elas, produtos alimentícios, de decoração, utensílios domésticos e variedades em geral. O programa, que é mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), está em atividade desde o começo de 2016, já tendo atendido dezenas de mulheres e seus filhos, de um a dois anos e nove meses. Com equipe multidisciplinar, o “Amor de Tia” tem sede no bairro Matadouro, zona Norte da cidade.

“Acredito que cumprimos a nossa agenda anual com sucesso, trazendo à comunidade esta exposição, que tem o objetivo de mostrar o trabalho que essas mães realizaram, incentivando a produzirem bem mais e, então, começarem a comercializar seus produtos”, disse a coordenadora do programa, Adriana Carvalho. Para a secretária da Mulher, Macilane Gomes, o programa vem cumprindo o seu papel: “estamos gerando novas empreendedoras: mulheres com mais autonomia e força de vontade de construírem a sua própria história, ultrapassando barreiras, antes, muito presentes, como a vulnerabilidade, a violência doméstica, a dificuldade em conciliar a criação dos filhos e o trabalho e/ou estudos”, pontuou.

“Pra mim é um prazer muito grande fazer parte dessa história. Com o ‘Amor de Tia’ a gente vem tendo a oportunidade de crescer, de ser uma mulher empoderada, uma mulher de negócios. Fiz o curso de cabeleireiro e já estou ganhando o meu dinheiro, atendendo em domicílio. Além disso, fiz oficina de peso de porta e de almofadas e venho constatando uma mudança na minha vida, principalmente, a independência financeira”, disse Cristiane Santos, uma das mães atendidas pelo programa, também expondo na “EmpoderArte” os seus produtos.

Para Nádia Lima, também atendida pelo programa, a mudança foi radical em sua vida. “Eu tinha uma vida monótona. Ficando em casa, fazendo faxina, cuidando de filhos e nada mais. Aqui, me redescobri, me identifiquei com a produção de biscoitos. Já tenho vários clientes, já me sinto empoderada. Agora, é daqui pra frente. A independência é muito boa”, enfatizou, enquanto comercializa os biscoitos que ela aprendeu a fazer durante oficina oferecida pelo programa.

A exposição também faz parte das atividades da Campanha “16 Dias de Ativismo – Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres e as Meninas”, que foi iniciada em Teresina no sábado (25).

Campanha leva Roda de Conversa ao Centro de Convivência Novos Meninos

Dando continuidade à programação da campanha “16 Dias de Ativismo – Pelo Fim da Violência contra as Mulheres”, a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), em parceria com a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI), esteve no Centro de Convivência Novos Meninos na manhã desta quarta-feira (29) realizando uma roda de conversa com as crianças e os adolescentes atendidos pela entidade, com o tema “Eles enfrentam”, de modo a incluí-los na sensibilização pelo fim da violência contra mulheres e meninas.

O jovem acadêmico do curso Direito, Ricardo Daniel, que faz parte do projeto Laboratório Maria da Penha, foi convidado para conduzir o momento de sensibilização com os meninos atendidos pelo Centro. De maneira mais lúdica, esclarecendo, ponto a ponto, as formas de violência contra a mulher, os detalhes da lei Maria da Penha, as consequências causadas pela violência, entre outros pontos, Ricardo foi interagindo com as crianças e os adolescentes, também ouvindo deles as opiniões e os pontos de vista a respeito do assunto.

“A violência contra as mulheres, além de ser um ato covarde, só traz malefícios para a nossa sociedade. Essa agressão vai além da violência direta contra a mulher, porque causa danos não somente a ela, mas aos filhos, aos familiares, e até mesmo ao próprio agressor. Por isso a importância desse momento, de modo que eles, ainda em fase de formação, compreendam e possam abraçar a causa, se tornando ativistas nessa campanha, que deve ser contínua”, pontuou Ricardo.

A secretária da Mulher, Macilane Gomes, também esteve presente, reforçando a fala do Ricardo Daniel, pontuando o aspecto positivo daquele momento: “homem sensibilizando outros homens, pelo fim da violência contra a mulher. É justamente o foco da campanha deste ano, que traz como tema ‘Eles também fazem parte!’”, disse.

A interação ocorreu de forma espontânea durante a roda de conversa. Alguns levantavam a mão para pedir a fala, colocando dúvidas ou contribuindo com a fala do formador, Ricardo. João Victor Gomes, de 16 anos de idade, é um dos meninos atendidos pelo Centro, que participou da Roda. “Aprendi nesse momento que nós devemos respeitar sempre as mulheres e não violar os seus direitos. Muitas vezes ela, a mulher, não tem como se defender. Nós devemos sempre protegê-la e acolhê-la com companheirismo”, falou.

Sandro Gabriel Vieira, 12 anos de idade, também fez questão de participar do momento. “A gente tem que aprender como se tratar uma mulher. Não podemos xingar, nem desrespeitar”, enfatizou o pequeno Sandro, durante a Roda.

A programação da campanha segue até o dia 10. Confira as demais atividades:

01/12/17 – Empoderartes: Exposição dos Trabalhos realizados com as Mães

Local: Espaço de Convivência Amor de Tia

Horário: 09h

01/12/17 – Oficina “Pela Igualdade de Meninas e Meninos”

Local: Zona Rural Leste de Teresina

Horário: 08h

02/12/17 – Teresina em Ação

Local: Praça do Renascença – zona Sudeste

Horário: 08h

05/12/17 – Roda de Diálogo “Eles enfrentam!”

Local: Empresa Ferronorte

Horário: 06h30

05/12/17 – Roda de Diálogo “Eles enfrentam!”

Local: SENAC Aprendiz – Auditório

Horário: 06h30

05/12/17 – Roda de Diálogo “Família, Escola e Vínculos”

Local: CMEI da Nova Cajaíba – Zona Rural Leste

Horário: 15h

06/12/17 – SMPM: Bate papo “Eles Também Fazem Parte!

Local: Teresina Shopping

Horário: 18h

06/12/17 – Esperança Garcia: Oficina “Bem Viver” – Cuidando de quem cuida (Terapia Holística)

Local: Centro de Referência para Mulheres Vítimas de Violência – Francisca Trindade, End. Rua São Pedro, 1290. Fone: 86-3225-1607

Horário: 09h30

06/12/17 – A União Brasileira de Mulheres – UBM fará panfletagem e distribuição de fitas brancas no IFPI Central

07/12/17 – Oficina: Reflexão sobre Violência de Gênero

Local: Serviço de Atendimento à Mulher em Situação de Violência Esperança Garcia

Horário: 09h

07/12/17 – Roda de Diálogo “Eles enfrentam!”

Local: Empresa Houston Bike

Horário: 07h

08/12/17 – Roda de Diálogo “Eles enfrentam!”

Local: SMPM

Horário: 09h

SMPM dá início à primeira etapa do Diagnóstico sobre a violência contra a mulher

“Teresina está dando um grande passo no avanço pelo enfrentamento da violência contra a mulher, se tornando referência nacional na área”. A observação foi feita pela consultora e especialista em Feminicídio, Wânia Pasinato, que está à frente do I Diagnóstico sobre a Situação da Violência contra a Mulher em Teresina, cujo plano de trabalho foi lançado em setembro deste ano. Nesta semana a primeira etapa do trabalho será iniciada: o levantamento de dados, com uma pesquisa em registros administrativos do sistema de segurança e justiça, saúde e assistência social, referentes à violência contra as mulheres.

A situação da violência doméstica e familiar contra a mulher na capital será diagnosticada pela Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), em parceria com a Secretaria Municipal de Planejamento e com o Banco Mundial. Wânia está na cidade por meio da empresa Xaraés Consultoria e Projetos, que é especializada nas áreas de gênero, raça, etnia, políticas públicas específicas nas áreas de assistência social, saúde, segurança pública e enfrentamento à violência contra as mulheres, além do meio ambiente, comunicação, planejamento estratégico e gestão. É a empresa responsável pela execução do Diagnóstico.

“Existe uma correlação muito grande entre a impunidade e a violência, e isso em todas as áreas. Na medida em que se tem um índice alarmante de violência contra a mulher, ao mesmo tempo a máquina administrativa encontra limitações em realizar essa punição. Por isso, a importância desse Diagnóstico, porque vai nos aprofundar nos problemas, nos possibilitando melhorar a execução das políticas, e, ao mesmo, vai fazer uma revisão no Plano Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, dando um enfoque especial no combate à violência e dotando-o de um conjunto de medidas e metas”, disse o prefeito Firmino Filho, durante o lançamento do plano de trabalho, que será executado num período de 12 meses.

“Nossa proposta é construir esse primeiro diagnóstico sobre a situação de violência contra a mulher em Teresina, dada a importância da realização de estudos e pesquisas que revelem a realidade vivenciada pelas mulheres em situação de violência no nosso município. Também queremos identificar como os serviços de enfrentamento à violência e atendimento a essas mulheres vêm respondendo às demandas apresentadas”, pontuou Maria Helena Santos, secretária executiva da Mulher, representando a secretária Macilane Gomes.

O I Diagnóstico sobre a Situação da Violência contra a Mulher em Teresina é uma iniciativa da Prefeitura, com financiamento do Banco Mundial, com o valor de execução orçado em R$ 330.000,00.

Wânia Pasinato

“O trabalho será realizado em duas frentes, começando por um levantamento aprofundado sobre a realidade da violência contra a mulher em Teresina, a partir de uma pesquisa com os registros das ocorrências, analisando o que já vem sendo capacitado pelo poder público e avaliando a resposta que as mulheres recebem por meio dos serviços. Além disso, pretende-se conhecer esses serviços, suas estruturas, seus recursos humanos, a fim de buscar qualificá-los para esse atendimento à mulher”, explicou Wânia Pasinato, consultora responsável pelo Diagnóstico.

Há a proposta de mudança na gestão desses serviços, de acordo com a realidade social apurada pelo Diagnóstico, segundo Aparecida Gonçalves, presidente da Xaraés e ex-secretária nacional de Políticas para Mulheres. “Queremos, também, fortalecer a atuação da Secretaria da Mulher em Teresina”, pontuou, afirmando que as etapas compreendem: o dimensionamento da violência contra as mulheres, o dimensionamento da resposta nos programas e serviços de enfrentamento à violência, assistência técnica e formação à equipe, usando técnicas quanti-qualitativas, coletas de informações em registros administrativos, entrevistas semiestruturadas, questionários, entre outras metodologias.

Há a previsão para que em março do próximo ano já seja divulgada uma prévia do Diagnóstico, que será concluído com o novo Plano Municipal, em setembro de 2018.

Campanha “16 Dias de Ativismo” é iniciada em Teresina

A Campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres e as Meninas” foi iniciada em Teresina no sábado (25), às 18h, na praça de eventos do Teresina Shopping, com um grande ato de mobilização e sensibilização. O evento contou com a apresentação da Orquestra Sanfônica de Teresina, bem como, com o cordelista Tião Simpatia, membro do Instituto Maria da Penha. Autoridades, movimentos de mulheres, público em geral, estiveram presentes.

 

Desde sua primeira edição, em 1991, a campanha “16 Dias de Ativismo” já conquistou a adesão de cerca de 160 países. Mundialmente, a Campanha se inicia no dia 25 de novembro, que é o Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher, e vai até 10 de dezembro, o Dia Internacional dos Direitos Humanos, passando pelo dia 06 de dezembro, que é o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres, conhecido como Campanha Laço Branco.

 

Na capital, além dos movimentos de mulheres, a campanha recebe adesões institucionais, como da Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres. Para este ano, a Secretaria escolheu um tema específico, fazendo com que os próprios homens possam se engajar na campanha e na luta pelo fim da violência contra as mulheres e as meninas. A campanha será trabalhada da seguinte forma: “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres e as Meninas – Eles Também Fazem Parte”, de modo que os homens que são contra essa prática possam se sentir parte da campanha e das ações de enfrentamento. “Nós precisamos nos conscientizar e conscientizar os demais homens. Mostrar a eles que podemos mudar essa realidade”, pontuou o juiz José Olindo, responsável pelo Juizado da Mulher, que esteve presente no evento.

 

 

“Temos a certeza de que estamos construindo um canal de interlocução pública de políticas para mulheres. A Prefeitura de Teresina vem reafirmando o compromisso com a luta pela consolidação dos direitos humanos das mulheres, em todas as suas faces e dimensões. Essa campanha vem confirmar isso, fechando nossa agenda do ano com 16 dias de intensas ações pelo fim da violência contra as mulheres e as meninas”, disse Macilane Gomes, secretária municipal de Políticas Públicas para Mulheres.

A campanha iniciou com a distribuição da agenda completa (confira, abaixo, a programação da campanha deste ano). Outros órgãos e instituições também se engajam, para que as atividades aconteçam, a exemplo do Tribunal de Justiça.

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

 

20/11/17 – Tribunal de Justiça: Mutirão de audiências de Instrução e Julgamento.

Local: TJ – Justiça pela Paz em Casa.

 

21/11/17 – Tribunal de Justiça: Mutirão de audiências de Instrução e Julgamento.

Local: TJ – Justiça pela Paz em Casa.

 

21/11/17 – Tribunal de Justiça: Atividade com estudantes do Curso Técnico de Enfermagem do PREMEM (Teresina – PI).

 

21/11/17 – Ato Simbólico pelo Fim da Violência contra a Mulher: Venha Fazer Parte!

Local: TJ – Justiça pela Paz em Casa

Responsável: Gracinha

Horário: 08h00

 

22/11/17 – Tribunal de Justiça: Mutirão de audiências de Instrução e Julgamento e Mesa-Redonda com representantes da Rede sobre a efetivação da Lei Maria da Penha em Picos. Evento voltado à comunidade acadêmica, campus UESPI/Picos – PI.

 

22/11/17 – Faculdade Estácio de Sá, Teresina – Roda de Conversa: As Faces da (in)Visibilidade: o Feminicídio sob o Olhar das Artistas Teresinenses.

Local: Faculdade Estácio de Teresina

Horário: 18h30.

 

23/11/17 – Tribunal de Justiça: Mutirão de audiências de Instrução e Julgamento e Mutirão de Audiências Preliminares.

 

23/11/17 – Palestra sobre o Enfrentamento à Violência contra a Mulher.

Local: Legião da Boa Vontade – LBV

Horário: 14h

 

24/11/17 – Tribunal de Justiça: Mutirão de audiências de Instrução e Julgamento.

 

25/11/2017SMPM: Abertura Oficial da campanha “16 Dias de Ativismo – Pelo Fim da Violência contra as Mulheres“.

Show da Orquestra Sanfônica de Teresina, com participação especial do cordelista Tião Simpatia.

Local: Teresina Shopping

Horário: 19h

 

25/11/17 – A UBM realizará um curso de formação sobre Feminismo para juventude.

 

25/11/17 – CMDM: Sensibilização para o Enfrentamento à Violência no Shopping da Cidade de Teresina.

Local: Shopping da Cidade

Horário: 08h

 

27/11/2017SMPM: Capacitação sobre a Lei Maria da Penha na Guarda Municipal de Teresina.

Local: Sede da Guarda Municipal de Teresina

Horário: 08h

 

27/11/17 – Dia Internacional da Não-Violência contra as Mulheres – Palestra: Chega de Violência.

Local: Shopping da Cidade

Horário: 10h

 

28/11/17 – V Ciclo de Divulgação do Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência – Esperança Garcia.

Local: CRAS Norte V

Horário: 08h

 

29/11/17 – Roda de Dialogo “Eles enfrentam!”

Local: Centro de Convivência Novos Meninos

Horário: 08h30

 

01/12/17 – Empoderartes: Exposição dos Trabalhos realizados com as Mães.

Local: Espaço de Convivência Amor de Tia

Horário: 09h

 

01/12/17 – Oficina “Pela Igualdade de Meninas e Meninos”

Local: Zona Rural Leste de Teresina

Horário: 08h

 

02/12/17 – Teresina em Ação.

Local: Praça do Renascença – zona Sudeste

Horário: 08h

 

05/12/17 – Roda de Diálogo “Eles enfrentam!”

Local: Empresa Ferronorte

Horário: 06h30

 

05/12/17 – Roda de Diálogo “Eles enfrentam!”

Local: SENAC Aprendiz – Auditório

Horário: 06h30

 

05/12/17 – Roda de Diálogo “Família, Escola e Vínculos”.

Local: CMEI da Nova Cajaíba – Zona Rural Leste

Horário: 15h

 

06/12/17 – SMPM: Bate papo “Eles Também Fazem Parte!

Local: Teresina Shopping

Horário: 18h

 

06/12/17 – Esperança Garcia: Oficina “Bem Viver” – Cuidando de quem cuida (Terapia Holística).

Local: Centro de Referência para Mulheres Vítimas de Violência – Francisca Trindade,  End. Rua São Pedro, 1290. Fone: 86-3225-1607.

Horário: 09h30

 

06/12/17 – A União Brasileira de Mulheres – UBM fará panfletagem e distribuição de fitas brancas no IFPI Central.

 

07/12/17 – Oficina: Reflexão sobre Violência de Gênero.

Local: Serviço de Atendimento a Mulher em Situação de Violência Esperança Garcia

Horário: 09h

 

07/12/17 – Roda de Diálogo “Eles enfrentam!”.

Local: Empresa Houston Bike

Horário: 07h

 

08/12/17 – Roda de Diálogo “Eles enfrentam!”.

Local: SMPM

Horário: 09h