Laboratório Maria da Penha certifica alunos e professores

Na manhã de hoje (19), 68 alunos de Ensino Superior receberam o certificado de participação no programa Laboratório Maria da Penha, realizado pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) em parceria com o Núcleo de Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (NUPEVID).

O Laboratório Maria da Penha tem como objetivo capacitar estudantes das áreas de Direito, Psicologia, Enfermagem, Medicina e Serviço Social para disseminarem os estudos e reflexões sobre a Lei Maria da Penha, as questões de gênero, os avanços e os desafios da rede de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher, além dos direitos da mulher.

Além dos alunos, os professores das instituições Instituto Camilo Filho, Universidade Estadual do Piauí, Centro Universitário Uninovafapi, Faculdade Evangelista do Piauí, Facid Wyden e Faculdade das Atividades Empresariais de Teresina também foram certificados.

A psicóloga Tathyana Lima, da Gerência de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, representou a SMPM durante a cerimônia. “É uma imensa honra participar de um programa que tem como objetivo fomentar conhecimento sobre a Lei Maria da Penha e como ela se estrutura na forma de rede de enfrentamento à violência na nossa cidade”, disse.

Para Francisco de Jesus, promotor do Nupevid, o poder público pegou as rédeas do enfrentamento à violência. “É bom quando a sociedade e os órgãos se apropriam, tomam para si. O nosso papel é esse, de agente de transformação social. Nós trabalhamos para a sociedade”, afirmou.

Claudirene Soares, professora da Faculdade Evangélica do Piauí, comemorou os resultados. “Nossos alunos aprenderam, compartilharam as suas emoções, suas vivências. Disseminaram a Lei, sensibilizaram os outros alunos, outras mulheres”, concluiu.

Prefeitura apoia ida de empreendedora ao Festival Mulheres do Mundo

A Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres apoiou a ida da empreendedora Adriana Borges ao Festival Mulheres do Mundo 2018 (WOW). A SMPM deu as passagens para que a empreendedora pudesse representar Teresina no evento que acontece pela primeira vez na América Latina, de 16 a 18 de novembro, no Rio de Janeiro.

O Festival reúne mulheres do mundo inteiro para refletir sobre as dificuldades e diferentes realidades que possuem. Debates, paineis, palestras, performances, oficinas, mentorias, ativismos, expressões artísticas e culturais e uma feira de empreendedorismo e gastronomia acontecem no Museu de Arte do Rio, Museu do Amanhã, Praça Mauá e Armazém 01.

Adriana, que faz parte do Instituto Ayabás, foi uma das 150 selecionadas dentre as 423 inscritas. Ela confecciona bonecas representativas e teve seu projeto aprovado. “Minhas bonecas tratam questões de gênero e de inclusão. São brinquedos afirmativos, porque são bonecas negras, indígenas, miscigenadas, albinas, cabelos cacheados, gordinhas, magras. Meu trabalho ser selecionado foi de grande importância para mim, porque eu vejo que ele está sendo bem visto e reconhecido”, comemora a artesã.

Para a secretária da Mulher, Macilane Gomes, é essencial a participação de uma mulher, negra, empreendedora, representando Teresina. “Ela está levando a sua expertise na produção de bonecas em tecido. Ficamos muito felizes de poder apoiar a Adriana nesse espaço tão relevante. A SMPM funciona como um canal de articulação e mobilização e fortalecimento das mulheres, considerando todas as suas diversidades”, finaliza.

Violência contra a mulher é tema de discussão nas escolas da zona Norte

A Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) está levando às escolas da zona Norte o Projeto Dialogando. A iniciativa acontece em parceria com o “Paz na Escola”, ação do programa Vila Bairro Segurança, que tem um intuito de promover uma cultura de paz para estudantes e professores. Na ação, crianças do sexto ao nono ano participaram de uma conversa sobre violência contra a mulher e Lei Maria da Penha. Segunda-feira (12) a atividade foi realizada na Escola Municipal Iolanda Raulino, no bairro Mafrense. Nesta terça-feira (13), o projeto acontece na E.M. Deputado Antônio Gayoso, no bairro São Joaquim.

A palestra foi conduzida pelo sociólogo Weriquis Sales, que acredita que o caminho seja o investimento na desnaturalização da violência por parte das crianças. “Tratamos da violência contra as mulheres, Lei Maria da Penha e cotidiano escolar, fomentando uma discussão acerca das desigualdades de gênero, práticas e posturas que forçam desigualdades”, explicou Sales.

Também foi abordado o trabalho do cordelista Tião Simpatia, que leva a Lei Maria da Penha através de cordel pra as escolas, explicando a importância do trabalho de forma educativa e divertida. Weriquis citou exemplos cotidianos de desigualdade de gênero, seja em casa ou no ambiente escolar, para contextualizar o tema. Além disso, as crianças aprenderam como identificar casos de violência e como podem denunciar.

Inscrições abertas para empresas que desejam receber o Selo Dona Saló

O “Selo Dona Saló – Empresa Promotora da Igualdade de Gênero”, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM) e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), está com inscrições abertas. O selo será concedido anualmente. As inscrições estão abertas a partir de hoje (12) e seguem até o dia 17 de dezembro.

O selo certificará as empresas privadas localizadas em Teresina que atuem ou estabeleçam projetos, programas ou ações em prol da igualdade de gênero nas relações de emprego, qualidade de vida no ambiente de trabalho, ações de enfrentamento à violência contra a mulher, valorização da mulher no ambiente de trabalho, bem como, cumpram regularmente suas obrigações fiscais e pratiquem a Responsabilidade Social: empregabilidade e liderança de Mulheres, igualdade salarial; saúde e qualidade de vida; educação e prevenção à violência.

“Queremos certificar empresas que promovam incentivo à valorização e a visibilidade de práticas de enfrentamento à violência e estamos estimulando o envolvimento do setor privado com o setor público, a fim de desenvolver ações na área social e econômica para promover igualdade nas oportunidades entre homens e mulheres”, explica a secretária executiva da SMPM, Maria Helena Santos.

As inscrições serão gratuitas e deverão ser realizadas, primeiramente, por meio eletrônico, através do preenchimento do formulário disponibilizado no endereço https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSc05N9POeI-Gu59pYDgonQLt7rOwqJUX8w3TyhsSoOpBC4MvQ/viewform. Nos sites http://smpm.teresina.pi.gov.br/ http://semdec.teresina.pi.gov.br/ haverá um questionário a ser preenchido pelas empresas inscritas e encaminhados para a sede da SMPM, localizada na Rua Agripino Maranhão, nº 235, Bairro dos Noivos, CEP 64043-280, juntamente com os seguintes documentos: crédito tributário federal e dívida ativa da União, dívida ativa do estado, dívida ativa do município, fiscal e tributária, FGTS, trabalhista, além do portfólio de apresentação da atuação da empresa.

O regulamento pode ser encontrado aqui.

Lei Maria da Penha em Cordel volta a percorrer escolas de Teresina ensinando respeito à mulher

“A Lei Maria da Penha está em pleno vigor. Não veio para punir homem, mas para punir agressor. Pois em mulher não se bate, nem mesmo com uma flor”. Com esses versos, o cordelista Tião Simpatia inicia mais uma apresentação nas escolas municipais de Teresina. Nesta segunda-feira (05), Tião se apresentou nas escolas Antônio Dilson Fernandes, no bairro São Joaquim, e Iolanda Raulino, no bairro Poti Velho, ambos localizados na zona norte da cidade.

A ação é uma parceria da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) e da Secretaria Municipal de Educação (Semec). “O projeto tem extrema relevância, porque dissemina a Lei Maria da Penha por meio do aprendizado nas escolas, em que crianças e adolescentes estão na fase de construção da personalidade e aprendem de forma criativa e lúdica”, conta a secretária da Mulher, Macilane Gomes.

A diretora adjunta da escola Iolanda Raulino, Erika Louise, aprovou a apresentação do cordel. “Eu acho uma ação maravilhosa porque os nossos meninos precisam bastante estar por dentro de tudo o que está acontecendo e muitas vezes nosso conteúdo programático não aborda o tema da violência de forma aprofundada. O projeto só tem a contribuir”, comemora.

Durante a apresentação, Tião Simpatia faz a leitura do cordel junto com as crianças e também canta versões de canções contra a violência, como da música O Cravo e a Rosa. “Nesse quinto ano de atividade, pretendemos aperfeiçoar mais as apresentações sobre o tema da violência doméstica com os alunos. No início, eu declamava o cordel e eles assistiam, agora eu faço a leitura coletiva como uma maneira deles interagirem. Eles ficam mais centrados na leitura”, revela Tião.

O projeto Lei Maria da Penha em Cordel vai percorrer escolas até quarta-feira (07), passando pelas E. M. José Gomes Campos, Mocambinho e José Nelson de Carvalho.

Estão abertas as inscrições para o I Encontro dos Universitários Empreendedores do Piauí

Na próxima sexta-feira (09) acontecerá o I Encontro dos Universitários Empreendedores do Piauí, evento que pretende reunir interessados nas temáticas de empreendedorismo, inovação e gestão, com o objetivo de estimular e capacitar. O encontro será de 8h às 20 h, na Faculdade Estácio Teresina.

Durante o dia serão discutidos conceitos e significados de empreendedorismo, praticar o comportamento empreendedor nos diversos segmentos profissionais, metodologias que podem contribuir na formação empreendedora e orientações de onde começar um negócio.

O Encontro é realizado pela Via Castro Consultoria, com apoio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), Faculdade Estácio, Conselho Regional de Administração e SEBRAE. Para a gerente de articulação da SMPM, Lisian Oliveira, apoiar um encontro como esse é de extrema importância para a cidade de Teresina. “Fomentar o empreendedorismo é agitar a economia local e colaborar com a independência de muitas mulheres. O evento é organizado por mulheres e ver caso de sucesso como os delas pode ser muito inspirador para quem assistir suas oficinas”, revelou.

Os participantes poderão fazer as oficinas de culinária empreendedora, planejamento estratégico para empreendedores, modelagem de negócios, qualidade no atendimento e relacionamento com o cliente e desconstruindo o marketing digital. O encerramento ficará com a palestra magna: “A universidade, a formação profissional, o mundo do trabalho e o empreendedorismo”.

 

CLIQUE AQUI PARA SE INSCREVER

Menina assume Juizado de Violência Doméstica e Familiar por um dia

O juiz José Olindo Barbosa, titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, cedeu, na manhã de hoje (26), sua toga para a jovem Jéssica de Sousa, de 20 anos, moradora da zona Rural de Teresina. Ela aprendeu como é o funcionamento do Juizado e participou de audiências.

O intuito da atividade, chamada “Meninas Ocupam”, é mostrar que toda menina pode ocupar um espaço de poder e tem os mesmos direitos que os homens. É uma parceria entre a ONG PLAN International e a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM).

“Quando a gente vê pela televisão é completamente diferente de vivenciar. Gostei da experiência. Talvez eu possa até seguir a carreira de magistrado no futuro”, afirmou Jéssica.

José Olindo, contou sobre a sua trajetória de 29 anos como juiz e declarou que a ação tem uma importância muito grande. “Isso desperta na adolescente o desejo de progredir na sua vida profissional. Abre perspectivas e, assim, ela  pode escolher uma profissão, se engaja, acreditar que é possível e conseguir”, disse.

Mãe Amor de Tia volta ao serviço para ensinar outras mães arte da confeitaria

“Mãe amor de tia é sempre amor de tia”. Esse é o ditado que circula nos corredores do Serviço Integral de Atendimento à Mulher e Suas Crianças. Prova disso é a Edilene Sampaio, que participou do serviço na unidade Matadouro, na zona Norte, em sua inauguração, em 2016, mas voltou durante essa semana para ministrar um curso de bolos decorados às novas usuárias.

Edilene é moradora do bairro Parque Alvorada e mãe do Kevin Klein, de 4 anos, que já está na CMEI. Durante o seu período no Amor de Tia ela fez cursos de decoração de balão, ovos de páscoa, trufas recheadas, cupcake, mas gostou mesmo dos bolos confeitados. Gostou tanto que se aperfeiçoou na técnica e hoje consegue extrair sua renda da atividade.

“Eu vim porque eu também tive a oportunidade, não paguei por isso, foi com todo o amor delas para querer ensinar a gente. Eu vim repassar um pouco do que eu aprendi. Através do Amor de Tia eu tive muitas oportunidades, conheci pessoas legais que abraçaram a mim e ao meu filho com muito carinho. Só tenho a agradecer cada oportunidade que eu tive aqui”, declarou a confeiteira.

Para a coordenadora do serviço na zona Norte, Adriana Carvalho, o Amor de Tia é uma grande família. “A mãe que participa do serviço continua sendo mãe amor de tia, mesmo que seus filhos vão para a CMEI. Elas têm muita consideração com as outras, querem ajudar. É esse empoderamento que queremos, que ensina que você deve ser amiga de outra mulher, ajudar, entender o problema da outra, querer ser feliz e que a outra mulher seja feliz também”, explicou.

Menina ocupa cargo de Promotora de Justiça por um dia

Na manhã de hoje (25), Patrícia, de 13 anos, foi Promotora de Justiça por um dia. Ela sentou na cadeira de Maria do Amparo Sousa, coordenadora do Núcleo das Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar, e aprendeu sobre o dia a dia da profissional.

A ação faz parte do projeto Meninas Ocupam, da ONG PLAN International, em parceria com a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, que tem como objetivo levar meninas para ocupar espaço de poder em que elas podem ser ouvidas e levadas em conta a igualdade de gênero.

A promotora Maria do Amparo aprovou a ideia. “É uma forma de mostrarmos para essa menina que ela pode tudo. Ela pode e deve ir atrás dos seus sonhos, sempre achar que é capaz. Nunca achar que ser menina signifique empecilho para isso. Esse mundo é nosso. A gente luta por essa igualdade entre homem e mulher, é o nosso maior objetivo, com respeito, com paz, para que possamos viver em harmonia na sociedade”, explica.

Para Patrícia, a experiência foi bastante enriquecedora. “Eu amei, tirei dúvidas sobre a profissão e o cargo. Eu queria agradecer. Eu vim fazer a defesa das meninas que podem fazer sempre o que quiserem. Decidir, proteger, organizar”, disse.

Representante do Senado visita rede de atenção à mulher de Teresina e propõe observatório

O coordenador do Observatório da Mulher contra a Violência do Senado, Henrique Ribeiro, realizou uma visita técnica ao projeto Amor de Tia Norte e Sudeste e ao Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência Esperança Garcia. Henrique Ribeiro buscou conhecer a rede de atendimento à mulher implementado pela Prefeitura na capital, a partir do que foi revelado no diagnóstico da violência e a revisão do Plano Municipal de Políticas Públicas para Mulheres.

Segundo a secretária municipal de Políticas Públicas Para a Mulher, Macilane Gomes, a visita de Henrique também pode resultar na construção de um observatório da violência local. “Ele quer sentir como esses serviços são operacionalizados e, principalmente, como vamos mensurar o impacto desse trabalho. O Observatório vem contribuir para o novo momento do plano. A partir dos indicadores, da execução, do diálogo na câmara técnica de gestão e controle, como vamos captar esses dados da violência e o que vamos fazer com eles”, explicou.

Segundo o representante do Senado, a criação de um Observatório com dados locais, seria interessante para olhar para o todo a partir do local. “Diante das análises que fizemos, nós percebemos que seria interessante conhecer uma experiência mais local, de diagnóstico desses dados, de conhecer como esses dados podem ser apropriados em âmbito local para ampliar essas políticas nos municípios. Soubemos do trabalho da SMPM, percebemos que seria uma oportunidade bacana de aprofundar mais e talvez começar a propor uma governança desses dados”, afirmou.