“Teresina está dando um grande passo no avanço pelo enfrentamento da violência contra a mulher, se tornando referência nacional na área”. A observação foi feita pela consultora e especialista em Feminicídio, Wânia Pasinato, que está à frente do I Diagnóstico sobre a Situação da Violência contra a Mulher em Teresina, cujo plano de trabalho foi lançado em setembro deste ano. Nesta semana a primeira etapa do trabalho será iniciada: o levantamento de dados, com uma pesquisa em registros administrativos do sistema de segurança e justiça, saúde e assistência social, referentes à violência contra as mulheres.

A situação da violência doméstica e familiar contra a mulher na capital será diagnosticada pela Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), em parceria com a Secretaria Municipal de Planejamento e com o Banco Mundial. Wânia está na cidade por meio da empresa Xaraés Consultoria e Projetos, que é especializada nas áreas de gênero, raça, etnia, políticas públicas específicas nas áreas de assistência social, saúde, segurança pública e enfrentamento à violência contra as mulheres, além do meio ambiente, comunicação, planejamento estratégico e gestão. É a empresa responsável pela execução do Diagnóstico.

“Existe uma correlação muito grande entre a impunidade e a violência, e isso em todas as áreas. Na medida em que se tem um índice alarmante de violência contra a mulher, ao mesmo tempo a máquina administrativa encontra limitações em realizar essa punição. Por isso, a importância desse Diagnóstico, porque vai nos aprofundar nos problemas, nos possibilitando melhorar a execução das políticas, e, ao mesmo, vai fazer uma revisão no Plano Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, dando um enfoque especial no combate à violência e dotando-o de um conjunto de medidas e metas”, disse o prefeito Firmino Filho, durante o lançamento do plano de trabalho, que será executado num período de 12 meses.

“Nossa proposta é construir esse primeiro diagnóstico sobre a situação de violência contra a mulher em Teresina, dada a importância da realização de estudos e pesquisas que revelem a realidade vivenciada pelas mulheres em situação de violência no nosso município. Também queremos identificar como os serviços de enfrentamento à violência e atendimento a essas mulheres vêm respondendo às demandas apresentadas”, pontuou Maria Helena Santos, secretária executiva da Mulher, representando a secretária Macilane Gomes.

O I Diagnóstico sobre a Situação da Violência contra a Mulher em Teresina é uma iniciativa da Prefeitura, com financiamento do Banco Mundial, com o valor de execução orçado em R$ 330.000,00.

Wânia Pasinato

“O trabalho será realizado em duas frentes, começando por um levantamento aprofundado sobre a realidade da violência contra a mulher em Teresina, a partir de uma pesquisa com os registros das ocorrências, analisando o que já vem sendo capacitado pelo poder público e avaliando a resposta que as mulheres recebem por meio dos serviços. Além disso, pretende-se conhecer esses serviços, suas estruturas, seus recursos humanos, a fim de buscar qualificá-los para esse atendimento à mulher”, explicou Wânia Pasinato, consultora responsável pelo Diagnóstico.

Há a proposta de mudança na gestão desses serviços, de acordo com a realidade social apurada pelo Diagnóstico, segundo Aparecida Gonçalves, presidente da Xaraés e ex-secretária nacional de Políticas para Mulheres. “Queremos, também, fortalecer a atuação da Secretaria da Mulher em Teresina”, pontuou, afirmando que as etapas compreendem: o dimensionamento da violência contra as mulheres, o dimensionamento da resposta nos programas e serviços de enfrentamento à violência, assistência técnica e formação à equipe, usando técnicas quanti-qualitativas, coletas de informações em registros administrativos, entrevistas semiestruturadas, questionários, entre outras metodologias.

Há a previsão para que em março do próximo ano já seja divulgada uma prévia do Diagnóstico, que será concluído com o novo Plano Municipal, em setembro de 2018.

There are no comments yet.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked (*).