O prédio que acomodará o novo Amor de Tia no bairro Alto da Ressurreição, zona sudeste de Teresina, já está sendo reformado. As obras permitirão que o espaço seja adequado ao atendimento de 100 crianças e suas mães. O projeto Amor de Tia, coordenado e executado pela Secretaria Municipal de Política Pública para Mulheres, tem como principal foco acolher crianças com idade variando de 1 ano a 2 anos e 9 meses, proporcionando todos os estímulos para que elas possam crescer e se desenvolver com todo seu potencial de aprendizagem.

Além disso, as mães dessas crianças são acolhidas e recebem qualificação profissional e fortalecimento de sua autoestima. A experiência começou no bairro Matadouro, zona norte da capital, ainda em 2016, e vem dando certo.

No prédio que acomodará a nova sede do programa funcionava um antigo Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI). A Secretaria de Educação é a responsável pela reforma estrutural para adequação do espaço. A Amor de Tia contará com salas para atividades das crianças de 1 a 2 anos e 9 meses, refeitório, banheiros acessíveis para adultos e os pequenos, coordenação, uma sala reservada de escuta para as mães e uma sala onde serão ofertados os cursos de capacitação profissional. A meta é atender 50 crianças pela manhã e 50 à tarde.

“O Amor de Tia é um serviço que busca fortalecer as mulheres em situação de vulnerabilidade social, em especial à violência doméstica, e também atender as suas crianças. Estamos em parceria com a Uninovafapi, que está construindo o projeto arquitetônico do programa como também a sua identidade visual”, explica Lidiane Oliveira, gerente de Enfrentamento à Violência contra a Mulher da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM).

Estudantes de arquitetura da Uninovafapi realizaram uma visita à nova sede para planejarem o projeto arquitetônico do Amor de Tia sudeste. “Há dois anos mantemos o escritório modelo e ele funciona para atendimento à comunidade. Temos uma demanda que chega para nós da prefeitura e da comunidade. Trouxemos os alunos para uma verificação do local e as possibilidades que temos para planejar”, afirma a professora Aracely Magalhães.

Inaugurado no início de 2016, o programa já atendeu cerca de 150 crianças e mais de 100 mulheres, dando a elas a oportunidade da qualificação e do trabalho, enquanto restauram sua autonomia e autoestima, dando-lhes a oportunidade de sair da situação de vulnerabilidade e de violência, como em muitos casos, e passando a contar com várias oportunidades, uma vez que o programa oferece diversos cursos e oficinas, em parcerias com outras instituições.

Também são parceiros do projeto a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Estácio Ceut, Cras Sudeste III e agentes de saúde.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).