A Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) realizou, na manhã desta terça-feira (9), uma oficina de capacitação para a implantação do Observatório da Mulher em Teresina. O projeto, realizado em parceria com o Senado Federal, tem como objetivo monitorar as políticas públicas de enfrentamento a violência contra a mulher em âmbito local, assim como verificar a efetividade da lei Maria da Penha.

A oficina, que iniciou hoje (09), no auditório do Procon, zona Leste da cidade, segue até esta quarta (10), e está sendo ministrada pelo coordenador do observatório da mulher do Senado Federal, Henrique Marques.

Segundo Henrique, a oficina de capacitação do observatório é uma nova perspectiva de se alcançar a efetividade de políticas públicas voltadas para as mulheres. “Em primeiro lugar, eu vejo como uma oportunidade de perceber como se pode ajudar a montar a estrutura de um observatório em municípios ou estados. A partir disso, nós podemos fazer uma análise mais profunda sobre a violência contra a mulher, além de orientar melhor a atuação do poder público, executivo, legislativo e judiciário. É uma esperança que com essa oficina a gente dê um primeiro passo para um trabalho mais efetivo na luta de enfrentamento à violência contra as mulheres” afirmou.

O principal objetivo da oficina é aprimorar a capacidade de monitorar e avaliar as políticas de enfrentamento à violência contra as mulheres em âmbito municipal, mediante produção, sistematização e análise de dados.

A estudante de Ciência Política da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Indira Pimentel, participou da oficina. Segundo ela, é muito importante discutir o enfrentamento a violência contra a mulher em todos os aspectos.

“Está sendo muito importante participar da oficina, porque estão reunidas todas as secretarias, todos os órgãos de atendimento e enfrentamento a violência contra a mulher para uma construção coletiva desse observatório. Isso é ótimo porque se cria um diálogo entre toda a rede para que as informações e análises tenham um impacto real sobre a vida das mulheres teresinenses”, comentou.

Ana Régia é analista em gestão pública na SMPM. De acordo com ela, a oficina é uma grade oportunidade. “É uma ocasião que ajuda a analisar o fluxo de informações. A partir daí nós veremos quais dessas informações devem ser capitadas para o observatório. Então, começamos a sistematizar melhor esses dados e tornar pública também para ser fonte de informação para outros órgãos”, disse.

Na programação de hoje, foi realizado um estudo sobre o fluxo de informações que visa a compreensão dos dados referentes às políticas públicas das mulheres, a partir de um modelo lógico, ou seja, uma metodologia mais clara de como fazer esse estudo.

A oficina do observatório terá continuidade nesta quarta-feira (10), das 8h às 12h, no auditório do Procon. De acordo com Henrique Marques, após a oficina, “o trabalho será voltado para que a gente possa sentar e discutir o que foi produzido aqui para depois começar a desenhar o observatório, ver como é que ele vai atuar que tipo de analise será feito e como a gente vai utilizar essa análise para sensibilizar as autoridades políticas e a população sobre o problema e como essas análises vão se transformar em melhores políticas públicas” finalizou.